De acordo com o Kantar Ibope Mídia, no primeiro semestre de 2017 o segmento de mídia OOH no Brasil teve um crescimento de 26%, o maior em todo o mercado brasileiro. Você pode se perguntar como este tipo de mídia tão tradicional encontra espaço nos dias atuais em meio a tantas alternativas, mas verdade seja dita: ela é uma forte ferramenta capaz de solucionar problemas pontuais de comunicação.

Do inglês Out-of-home, mídia OOH é tudo aquilo que atinge o consumidor fora de casa e, ainda que siga a linha mais tradicional de comunicação, seu crescimento é assegurado por ter capacidade de comunicar de forma adequada com cada região. Num país de proporções continentais como o Brasil, é fundamental compreender os diferentes perfis, conhecer a rotina dessas pessoas e impactá-las, no caminho de casa para o trabalho ou do trabalho para a escola, por exemplo.

Fora dos grandes centros, ainda é comum pensar somente em outdoors quando falamos no assunto, mas há uma diversidade enorme de formas de levar a sua marca para as ruas e a Mídia OOH no Brasil e no mundo tem aproveitado muito as novas tecnologias para chamar a atenção do consumidor, seja comunicando para grandes massas ou segmentando seu público alvo através das mais diversas estratégias que esse modelo de comunicação oferece.

A reinvenção da Mídia OOH no Brasil

A Mídia OOH está em todos os lugares e contribui para o fortalecimento de marcas e campanhas uma vez que atinge o consumidor repetidas vezes durante sua rotina. Ela se divide em tradicionais e não tradicionais. No primeiro grupo estão os outdoors (estáticos ou digitais), cartazes, publicidade em ônibus e em locais de acesso a como meio de transporte pelas pessoas, como entradas de metrô, paradas de ônibus, táxis e aeroportos, normalmente voltados para uma massa maior de pessoas.

Já os não tradicionais levam em conta aquilo que fazemos ao longo do dia e pode atingir públicos bem específicos, sendo uma espécie de facilitador no processo de regionalização de uma marca ou produto. Você pode encontrar painéis em shoppings, restaurantes, clubes e cinemas. Ou mesmo em caixas de pizza, copos de café e sacolas. Em cada um desses espaços você pode pensar um trabalho específico na linguagem mais apropriada para o público que deseja atingir.

Por estarem disponíveis em qualquer espaço público, é possível segmentar bem as propagandas que serão veiculadas, aumentando consideravelmente a geração de leads. E para impactar o consumidor e chamar a sua atenção em meio a todas as informações às quais estamos expostos diariamente, utilizar meios tecnológicos para isso torna-se fundamental.

Crescimento anima investidores

Como já mencionamos anteriormente, a Mídia OOH foi a que mais cresceu no Brasil em 2017. O montante representou cerca de R$ 1,7 bilhão em valores brutos, abocanhando uma parcela de 2,8% de todo o mercado publicitário. No ano passado, novamente um ótimo resultado, sendo a única das mídias tradicionais a avançar, grande parte disso impulsionada pelo seu processo de digitalização.

“OOH é uma mídia que deixou de ser o patinho feio do mercado”. A afirmação de Marco Muñoz, diretor de operações da Posterscope, dá uma dimensão desse processo. Assim como no restante do mundo, a Mídia OOH está se profissionalizando no Brasil. A Associação Brasileira de Out Of Home (ABOOH) está tendo um papel importante nesse crescimento, estabelecendo regras e ajudando a pôr fim à pecha de poluição visual.

Hoje, segundo a associação, 40% dos anúncios estão em São Paulo, que impulsionou a modernização do OOH. Em relação ao Brasil, as regiões Sul e Sudestes se destacam e um caso marcante de regionalização aconteceu no Rio de Janeiro em 2016. Por ocasião das Olimpíadas, estima-se que foram investidos R$ 200 milhões em mídia exterior, mais que o dobro de Londres em 2012.

Mídia OOH no Brasil: desafios e tendências

O desafio atual, de acordo com especialistas, é a necessidade de padronizar e unificar métricas para a medição de audiência e eliminar a vulnerabilidade a cortes de verba pela dificuldade de mensurar o número de pessoas atingidas, mas já existem estudos nesse sentido. A importância vem de resultados obtidos em outros países. Nos Estados Unidos e na França, onde isso aconteceu, o share ampliou em torno de 5% em um período de três a cinco anos.
Integrando off e on line, hoje as campanhas devem prezar pela qualidade e tecnologia, utilizando recursos como o wifi, touch screen, realidade aumentada e convergência para dispositivos mobile.

Hoje já é possível sincronizar painéis com condições do clima ou trânsito de grandes cidades, oferecendo opções que impactem naquela rotina e o incentivem a optar por tal produto ou estabelecimento, assim como tecnologias capazes de sincronizar com dados de smartphones e enviar para os usuários informações complementares a um anúncio que ele viu anteriormente através de uma rede de beacons, cuja cidade pioneira no Brasil é o Rio de Janeiro.

Cases brasileiros de sucesso

Uma boa peça de Mídia OOH precisa ser impactante considerando que sofremos com diferentes estímulos quando estamos na rua. Precisamos prestar atenção nos semáforos, nos distraímos olhando vitrines e encontrando conhecidos, então não basta estar diante do nosso nariz, precisa ser criativa, atrativa e bem localizada.
No Brasil, algumas empresas conseguiram isso com maestria, conforme listamos a seguir:

Video Game no ponto de ônibus

No Rio de Janeiro, o Colégio pH encontrou uma maneira eficiente de despertar a curiosidade de estudantes, sempre atentos aos seus smartphones e alheios ao que acontece em volta. Para testar seus conhecimentos para o vestibular, a instituição desenvolveu um game que poderia ser acessado no painel instalado em um ponto de ônibus. A iniciativa visava promover seu cursinho.

Homenagem às mães no elevador

Em São Paulo, O Boticário escolheu elevadores de prédios residenciais como Mídia OOH. Bastava o usuário se cadastrar em um site e escrever uma mensagem para a sua mãe. A mensagem era, então, direcionada para o endereço informado e aparecia em um display instalado dentro do elevador. Nem precisa falar que foi emoção na certa.


Fonte

Danilo Gentili ao vivo, no meio da rua

Para divulgar o reality show “Estubados”, a Sony trouxe a figura de Danilo Gentili, apresentador da atração, para uma tela em um ponto de ônibus. Por meio de câmeras instaladas em estúdio, ele conversou ao vivo com quem passava pelo local.

Em resumo, cada vez mais as pessoas estão fora de casa! Se antes o final de semana era esperado para se reunir em casa com a família, hoje ele é esperado para ir ao shopping e tanto outros lugares que possui Mídia OOH. Por isso o alto impacto em meio ao público.

O uso da tecnologia junto a Mídia OOH no Brasil é outro aspecto que vale a pena ressaltar, já que temos uma interação ainda maior entre este tipo de mídia e o público. Consequência da união de tecnologia e criatividade que consegue criar uma conexão emocional ainda mais profunda ao criar alguma campanha que se destaque no seu cotidiano.

Sabemos que a mídia OOH no Brasil tem muito a avançar para alcançar os padrões internacionais, mas o importante é que estamos no caminho certo. Não é atoa que conseguimos apontar os números de crescimento aqui apresentados, assim como positivas estimativas para os próximos anos. A questionamento que fica é: a sua marca já utiliza a mídia OOH de forma estratégica? Compartilha com a nossa equipe!

Walter Ziebarth

. Walter Ziebarth