A publicidade em jogos mobile tem se transformado em uma grande sensação. Em 2015, um número expressivo de marcas evitava publicidade no celular, ainda preocupados com os potenciais problemas de privacidade, a fragmentação do dispositivo e do sistema operacional e a falta de métricas.

Este ano, no entanto, estamos vendo uma mudança acentuada de atitude, de acordo com o eMarketer, mais e mais anunciantes adotam o meio móvel e colhem seus benefícios, que incluem a conexão on the go com os usuários e um dispositivo propriamente focado em intenção e ação.

Enquanto isso, podemos esperar que a publicidade em jogos abocanhe uma grande fatia desse investimento. Em muitos aspectos, os jogos são perfeitos para as marcas, prometendo aos anunciantes um dos públicos mais comprometidos e lucrativos, além de oferecer um ambiente que proporciona anúncios diferenciados e inovadores.

No próximo ano, as marcas que procuram se conectar com usuários não poderão ignorar os benefícios que a publicidade em jogos mobile tem para oferecer.

 

publicidade.móvel

 

Publicidade em jogos mobile permite anúncios inovadores

Hoje, à medida que a indústria de publicidade se esforça para combater as experiências ruins dos usuários e o frenesi de bloqueio de anúncios, estamos vendo que mais anunciantes adotam formatos de anúncios móveis inovadores e atraentes.

Isso inclui vídeos, anúncios reproduzíveis, anúncios de rich media, anúncios interativos, anúncios nativos e muito mais – a maioria dos quais apareceram primeiro nos jogos antes de chegarem ao mercado móvel maior.

Como muitos indicaram, “os desenvolvedores de jogos, como costumam fazer, foram pioneiros em trabalhar direcionado a publicidade”. Como apenas cerca de 3% da base de usuários de um aplicativo de jogos realmente compra algo no aplicativo (em comparação com 12% para aplicativos de compras e 8.5 % para aplicativos de utilidades), e porque a concorrência severa entre os jogos móveis reduz significativamente os preços dos faturamentos no aplicativo, os desenvolvedores de jogos não têm escolha senão descobrir como gerar dinheiro de outras maneiras. É este o imperativo de monetizar que motiva o setor de jogos a criar propagandas inovadoras.

Em 2014, os jogadores móveis começaram a ignorar publicidade em jogos do tipo banner. O resultado? Anúncios intersticiais. Naquele mesmo ano, um artigo da Forbes denominou anúncios intersticiais e de vídeos como “blocos de anúncios criativos”, uma vez que os jogos mobile na época os usavam como “novas” alternativas para os banners de baixo desempenho.

Hoje, os intersticiais estão começando a seguir o mesmo caminho que os banners faziam há quase três anos. Em setembro de 2016, um estudo da MediaBrix disse que os usuários eram duas vezes mais propensos a ter uma resposta emocional negativa para uma publicidade em jogos do tipo intersticial do que um anúncio recompensado e/ou opt-in.

À luz de suas fracas taxas de engajamento, as editoras de jogos estão se tornando algumas das primeiras a abandonar os interstícios a favor de formatos publicitários mais novos e menos intrusivos.

Este ambiente inovador representa uma grande oportunidade para as marcas que buscam traduzir o alto impacto da publicidade tradicional da marca para o meio móvel de maneira mensurável. Se intersticiais e vídeos foram considerados criativos há apenas dois anos, imagine as publicidades que os jogos móveis irão inspirar no futuro.

Jogos mobile dominam o ecossistema de aplicativos

Desde 2008, quando a App Store foi lançada pela primeira vez, os jogos móveis não foram apenas a categoria mais popular, mas também a que mais cresceu. Em 2016, estima-se que 68,8% dos usuários de celulares também são gamers móveis e 55,7% da população também são jogadores móveis, mesmo não sendo um usuário.

Em outras palavras, as marcas possuem uma enorme audiência à sua disposição. Julie Shumaker, VP de vendas da Zynga, por exemplo, disse à eMarketer em 2015 que ela pode “oferecer hoje a Coca-Cola publicidade em jogo que atinge 28 milhões de usuários únicos nos EUA, num único título”.

Se as marcas quiserem acessar seu público no mobile, eles terão que investir na publicidade em jogos simplesmente porque eles dominam o ecossistema de aplicativos. Se as marcas excluírem os jogos de suas estratégias publicitárias, serão limitados no alcance do seu público.

Jogos mobile possuem os usuários mais engajados

Além de constituir um pedaço considerável da economia dos aplicativos, os jogadores são um ótimo público-alvo para os anunciantes, porque eles são altamente envolvidos e são conhecidos por participar de longas sessões no aplicativo.

A empresa TUNE, por exemplo, descobriu que o envolvimento em toda a categoria de jogos é “consistentemente forte”, com uma média de 82% ao longo das primeiras seis semanas após a instalação. Isto é em comparação com 62% para música e entretenimento e ainda menor para social.

Em termos de duração da sessão, as sessões de aplicativos de jogos são as mais longas de todas as categorias a partir do quarto trimestre de 2015, com duração de 7,55 minutos, muito acima da média geral de 4,35 minutos. O mesmo acontece com o número médio de sessões por usuário, que é o segundo, perdendo apenas para aplicativos de redes sociais.
Em termos simples, isso significa que os jogadores móveis estão envolvidos com aplicativos de jogos com mais freqüência, e por mais tempo do que quase qualquer outra categoria..

As empresas que investem em publicidade em jogos e capitalizam esse envolvimento são as que mais têm sucesso. A Gillette, por exemplo, lançou uma campanha de reconhecimento de marca, usando anúncios criativos e interativos para capturar a atenção dos usuários e promover seu produto.

No anúncio, os consumidores podem tocar suas telas para raspar o rosto de Bruno Senna, um motorista de F1. De acordo com a Millennial Media, a CTR geral foi duas vezes superior à dos padrões da indústria, e 20% dos usuários que interagiram com o anúncio uma vez, interagiram novamente.

Publicidade Recompensada

Além disso, os anúncios recompensados, que é um formato de publicidade em jogos típico, tem potencial para beneficiar as marcas mais do que outros tipos de anúncios. Isso porque os jogadores apreciam que você está ajudando. Na verdade, de acordo com um estudo da Forrester encomendado pela Tapjoy, a publicidade em jogos recompensada quase duplica a porcentagem de usuários que se sentem positivos em relação às marcas.

Em 2016, começamos a ver as marcas investirem em celular. No próximo ano, podemos esperar que as marcas invistam mais no catálogo de jogos móveis, pois oferece aos anunciantes as maiores taxas de engajamento, a maior base de usuários e um meio que é garantido para inovar constantemente.

Publicidade em jogos com a Soluções Mídia Brasil

Nós, da Soluções Mídia, estamos a frente com estudos em publicidade em jogos mobile como também em outras plataformas, como PlayStation, Xbox e PC, sem contar, é claro, com a realidade virtual. Cremos ser necessário seguir as tendências e estamos sempre estudando novas formas e soluções inovadoras para entregar o máximo de resultado aos nossos clientes.

Walter Ziebarth

. Walter Ziebarth